domingo, 26 de julho de 2009

Árvore Minha


Olhar longínquo em dia claro,
Te vejo frágil e indefesa
A noite, da minha janela observo estrelas,
Postes, orelhão e ficus encorpado

Comuniquei a proprietária do passeio que embelezas,
Esta adoção sem papel passado
Tão próxima e aconchegante
Coisa de amor resguardado

Multidão de folhas verdes e decididas
Cercada de pequeninas flores,teu adubo é amizade
Traslado de sonhos familiares,
Para a felicidade alheia das padocas, mercearias e salões de beleza.

Epifitismo declarado entre árvore nativa e ramos de buganvília.
Adormeces no inverno e renasces suavemente na primavera
No tráfego acelerado deste tradicional bairro,
És o coração da Rua Porto.

Aguardo-te!

KAF/VIC-2009

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Parabéns Tertúlia!


Amigo é sopro de bem-te-vi nas manhãs de inverno
Tema livre para Tertúlia Virtual
Vento frio refrescante d’alma
Calor humano epitelial

Beijos com bloss
Longe de jargões e acompanhado de lirismo
Abraços sem nós
Convívio afastado de presunção absolutista

Amigo é amigo no dia-a-dia
Brinda e comemora as conquistas
Escuta e repreende quando preciso for
Anestesia de flor nesta loucura consumista

Não confunda conhecido com amigo
Esse se dar a conhecer na dor
Esmeril revelador de sinceridade
Destino cintilante, dos sentimentos catalisador

Ainda não encontrei receita para fazer amigo
Porém, tenho guardado em minhas veias
Amizades fortes e lembranças de calendário
Estréias aromáticas iluminadas por candeias.



KAF/VIC-2009

sábado, 4 de julho de 2009

Pequenas Coisas


Os dias de sol ou  as tempestades não interferem
As gentilezas  são abrigadas  em caixa cardíaca
Lágrimas nos recipientes límpidos,
Ausentes de rótulos  e fartos de pureza que não se compra na farmácia mais próxima.

Ao tilintar das folhas secas das árvores,
Estendes a mão em oportunidade fraternal
Sinta-se a imagem  quando admirá-la
Sonhas de olhos abertos.

Distante do sussurro do preconceito,
Tens nas mangas as cartas de uma alegria rejuvenescida em fábula
Percepção ingênua da diferença,
Companheira do momento presente eternizado nos cartões postais.

Como inversos e profundos ponteiros,
A vida prossegue em passos de ballet
Coletânea de aspirações
Diário de destino único.

KAF/VIC-2009